segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Retrospectiva Científica 2016


Já estamos na metade do segundo mês de 2017, mas ainda dá tempo de relembrarmos as  descobertas científicas de destaque em 2016:


[extraido de: http://bit.ly/2kkplI6] Em fevereiro os cientistas conseguiram comprovar a Teoria Geral da Relatividade, proposta por Albert Eistein em 1916, através da detecção de ondas gravitacionais pelo projeto LIGO (Laser Interferometer Gavitational-Wave Observatory), nos estados unidos. Para detalhes desta descoberta acesse: http://cienciainformativa.com.br/pt_BR/as-ondas-gravitacionais-de-einstein/.
Na aérea médica, o ano de 2016 demonstrou um grande avanço na busca de novas formas de prevenção e tratamento contra doenças graves, como o Alzheimer, que atinge grande número de pessoas em todo o mundo e que ainda se apresenta incurável.  A utilização de IL-33 (http://cienciainformativa.com.br/pt_BR/mais-um-passo-no-caminho-para-o-tratamento-do-alzheimer/ ) e a utilização de compostos de romã (http://cienciainformativa.com.br/pt_BR/luta-contra-o-alzheimer/ ) são alguns dos destaques descobertos este ano como formas alternativas para tentar controlar a doença.
Outro destaque da área médica neste ano foi o avanço na prevenção do Zika vírus. O desenvolvimento de uma vacina eficaz contra o vírus que causou um estrondoso aumento no número de casos de crianças com microcefalia e outras complicações neurológicas, apresentou passos importantes este ano, como pode ser visto com detalhes no texto: http://cienciainformativa.com.br/pt_BR/vacinas-contra-a-zika/. Além disto, este ano vimos muito avanços em alternativas de controle do mosquito Aedes aegypti , principal transmissor do Zika vírus, além do vírus da dengue e da febre Chikungunya, como pode ser visto no texto “Novas estratégias para o controle do mosquito Aedes aegypti” -http://cienciainformativa.com.br/pt_BR/novas-estrategias-para-o-controle-do-mosquito-aedes-aegypti/.
[extraído de: http://bit.ly/2l13h2h] Mas é no campo da Genética que se concentraram as descobertas mais “perturbadoras”, sobretudo do ponto de vista ético. Durante o ano, os cientistas revelaram novidades no sequenciamento do genoma humano. Não por acaso, o Prêmio Nobel de Medicina deste ano premiou pesquisas em genética que apontaram novos caminhos para o tratamento de doenças como Alzheimer, Parkinson, esquizofrenia e autismo. Essas pesquisas mostraram que células-tronco adultas podem ser transformadas em embrionárias pluripotentes, que são aquelas que podem dar origem a qualquer espécie de célula fetal ou adulta. Isso é uma novidade, pois até então acreditava-se que células adultas não poderiam desempenhar outra função. Agora, esses estudos ajudarão a curar doenças de origem genética, entender melhor o processo de envelhecimento e criar óvulos a partir de tecidos. 
O sequenciamento de genoma de um feto humano em gestação permite ainda um diagnóstico de doenças que o paciente terá somente no futuro, quando for adulto. Como os médicos, o paciente e as famílias lidarão com isso? Nos Estados Unidos, já existe uma preocupação com um aumento do número de abortos em consequência da detecção precoce de doenças genéticas. Por isso, alguns Estados estão tornando as leis mais rígidas, para impedir o aborto em casos como síndrome de Down. No Brasil, o aborto só é autorizado quando a gestação é resultado de estupro ou traz risco à mulher.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Canções de Natal (Christmas Carols)

Mais um Natal!!

A Biblioteca Central deseja a todos um Feliz e abençoado Natal, na esperança de que centelhas de solidariedade, respeito, tolerância e amor aos semelhantes, aos animais e ao planeta cheguem aos corações humanos.


E para entrar no clima, nada melhor que lindas canções natalinas! Conheça as três mais famosas:

Good Christian Men, Rejoice



 O Come, All Ye Faithful



Silent Night




E Um Feliz Natal a Todos!


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

7 Drivers of Open Science


O cenário da pesquisa científica está mudando rapidamente, direcionada pelas novas tecnologias e a necessidade da entrega de resultados de forma mais rápida, confiável e sustentável.

O infográfico abaixo mostra algumas das "forças" que estão direcionando a nova era do acesso aberto.


Você concorda?





Traduzido de: 7 Drivers of Open Science, by Helen Eassom

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

O jogo que auxilia no combate à violência contra a mulher


Lançado em abril de 2016, Violetas: cinema e ação no enfrentamento da violência contra a mulher é um jogo de tabuleiro criado com o objetivo de elucidar questões sobre a violência de gênero para os profissionais da saúde. Idealizado de acordo com a metodologia moderna alemã, o projeto é fruto de uma parceria entre as professoras Rosa Maria Godoy, da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EE/USP), e Maria Raquel Pires, da Universidade de Brasília (UnB).

Baseado na estrutura do alemão Pandemia, todos os jogadores de Violetas se tornam parceiros na luta contra um único inimigo: a violência contra a mulher. 

Como funciona
O objetivo final é conseguir juntar quatro tokens e não deixar a violência se espalhar pelo território nacional (o tabuleiro). Os peões andam por casas que ilustram cidades de nomes femininos como Nazaré, Fátima e Iracema.

Os participantes então recebem diferentes funções (educador, operador de direito, integrante de políticas públicas, profissional de saúde e cidadão), e devem se organizar conjuntamente para evitar que as peças pretas se espalhem demais. Para isso, eles respondem questões sobre cenas famosas do cinema, cujas perguntas variam desde termos técnicos relacionados ao papel da personagem no filme a até conceitos legislativos.
O tempo de duração da partida costuma ser relativamente longo, o que pode ser explicado pelo grande número de debates e conversas gerados durante seu desenrolar. Se jogado com intuitos profissionais, esse período pode se estender ainda mais, uma vez que “a proposta é de sempre trabalhar o Violetas com alguma ideia de intervenção", diz Rafaela Gessner, doutoranda da Profa. Rosa e contribuinte em quase todas as etapas de desenvolvimento do jogo.

Para maiores informações, contate o blog:
pertencente ao Núcleo de Estudos em Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos da UnB 



sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Aplicativo desenvolvido pela USP avisa sobre postura inadequada

Premiado, projeto multidisciplinar pretende auxiliar na reabilitação de pacientes que sofreram AVC
Uma das consequências decorrentes de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) é o comprometimento dos movimentos de partes do corpo e a estabilização da postura é muito importante no processo de reabilitação do paciente. Agora imagine se um aplicativo pudesse monitorar e alertar o afetado pelo AVC quando ele não estivesse na posição correta. Esse é um dos objetivos da pesquisa que está sendo realizada por Olibário Neto, doutorando do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos.
O doutorando está trabalhando em parceria com duas terapeutas ocupacionais: a professora Valeria Elui, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), e a mestranda Amanda Peracini, do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Bioengenharia, que é oferecido em conjunto pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) e pelo Instituto de Química de São Carlos (IQSC).
A ideia é que o aplicativo seja capaz de avisar quando a pessoa está com a postura incorreta, por meio de sinais sonoros e visuais com instruções sobre como corrigi-la. Para isso, é preciso fixar o smartphone no peito do paciente sobre uma espécie de colete. Dessa forma, ao permanecer em uma postura inadequada, o paciente recebe orientações para correção.
Os testes em pacientes devem começar ainda este ano e o aplicativo será utilizado em portadores de hemiparesia, que é a paralisia parcial de um lado do corpo. 
O projeto foi premiado como a segunda melhor apresentação oral durante o vigésimo quinto Congresso Brasileiro de Medicina Física e Reabilitação, realizado em São José do Rio Preto, na Universidade Paulista (Unip), entre os dias 25 e 27 de agosto. O trabalho recebe financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).
Fonte: [extraído de]: http://bit.ly/2eowxQf

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Usando o Conhecimento

Países como Inglaterra, Estados Unidos e Alemanha criaram nas últimas décadas uma série de iniciativas para melhorar a comunicação pública de resultados de pesquisa, com o objetivo de ajudar autoridades e gestores a fazer o melhor uso possível de informações baseadas em evidências científicas. Agora, um grupo de pesquisadores britânicos decidiu debruçar-se sobre essas experiências para avaliar o que funcionou. 

O resultado desse esforço é o relatório “Using evidence – What Works?, uma parceria da organização não governamental The Alliance for Useful Evidence com pesquisadores da University College London (UCL) e da fundação de pesquisa em saúde Wellcome Trust. A íntegra do documento está disponível em pdf. “Boa parte das pesquisas é financiada com recursos públicos. Se não compreendermos como estimular o uso de seus resultados na formulação de políticas e programas eficientes, perderemos oportunidades”, explica David Gough, professor da UCL e um dos coordenadores do relatório.

Uma das contribuições do relatório, na avaliação do biólogo e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Carlos Joly, é destacar a importância do trabalho conjunto de cientistas e gestores. “Os casos apresentados mostram que é possível criar ambientes de interação capazes de abarcar todos os atores envolvidos. Essa abordagem é trabalhosa, mas pode levar a soluções sólidas e duradouras”, afirma. Joly é coordenador do programa Biota-FAPESP, criado em 1999, cujos resultados de pesquisa inspiraram a legislação ambiental paulista, servindo de referência para a formulação de 23 resoluções e decretos estaduais.




Fonte: [extraído de:] http://bit.ly/2eHkTML

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Open Access Week International



A Semana Internacional do Acesso Aberto (International Open Access Week)   está chegando ao fim (24-30 Outubro), mas vale a pena conhecer o que aconteceu este ano:

O tema deste ano encoraja todas as partes envolvidas na pesquisa científica e em sua comunicação, a tomar medidas concretas a fim de tornar seu trabalho disponível de forma aberta e apoiar outros a fazer o mesmo. O foco é partir da discussão para a ação.

O tema “Open in Action” também dá destaque aos pesquisadores (iniciantes e os que estão no auge de suas carreiras), bibliotecários, estudantes e outros que se comprometeram com o acesso aberto e ao benefício dessa decisão.

A Semana Internacional do Acesso Aberto é uma ação global direcionada à comunidade científica para abrir o acesso à pesquisa. O evento é celebrado por indivíduos e organizações ao redor do mundo. Para maiores informações, acesse: www.openaccessweek.org